Mais de 1,8 milhão de trabalhadores ainda não sacaram abono salarial de 2015

Mais de 1,8 milhão de trabalhadores ainda não sacaram abono salarial de 2015

Prazo termina no próximo dia 30 de junho. Consulta de valores disponíveis pode ser feita no site do Ministério do Trabalho

O prazo para o saque do Abono Salarial Ano-Base 2015 termina no próximo dia 30 de junho e até esta segunda-feira (5) mais de 1,8 milhão de trabalhadores ainda não retiraram o benefício. O número representa 7,58% dos 24,2 milhões de pessoas com direito ao saque e equivale a R$ 1,2 bilhão que ainda não foram retirados. “Quem tem direito ao saque tem que ficar atento para não perder o prazo, porque os recursos não ficam acumulados de um ano para o outro”, alerta o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. “E esse é mais um recurso que ajuda a impulsionar a economia do país, beneficiando principalmente os trabalhadores mais humildes.”

Os trabalhadores podem fazer a consulta para saber se têm recursos disponíveis em uma nova página de serviço criada no site do Ministério do Trabalho (http://verificasd.mtb.gov.br/abono). Na página, deve-se informar o número de CPF ou do PIS e a data de nascimento.

O Abono Salarial 2015 está sendo pago a quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias no ano-base e teve remuneração média de até dois salários mínimos. Para retirar o dinheiro, o trabalhador deve estar inscrito no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos e a empresa deve ter informado seus dados corretamente na Relação Anual de Informação Social (RAIS).

Onde retirar – O benefício está disponível na Caixa e no Banco do Brasil. A Caixa paga os trabalhadores da iniciativa privada, vinculados ao PIS. Quem tem o Cartão do Cidadão e registrou senha pode retirar o benefício em caixas eletrônicos e casas lotéricas. Quem ainda não tem o cartão deve se dirigir a uma agência da Caixa. O Banco do Brasil paga os servidores públicos, vinculados ao PASEP.

Se o trabalhador atende aos critérios, mas seu nome não consta entre os que podem fazer o saque, ele deve verificar se o crédito foi feito diretamente na conta. Se ainda tiver dúvidas, poderá ligar para o número 158, ou se dirigir aos Postos da Superintendência Regional do Trabalho, além das agências da Caixa e do Banco do Brasil.

Os pagamentos do Abono Salarial Ano-Base 2015 variam de R$ 78 a R$ 937. No total, já foram liberados R$ 15,7 bilhões.

Proporcional – A Divisão do Seguro-Desemprego e Abono Salarial do Ministério do Trabalho esclarece que, a partir deste ano-base, o abono passou a ser pago proporcionalmente aos meses trabalhados. Ou seja, quem trabalhou durante todo o ano de 2015 tem direito a um salário mínimo (R$ 937,00).

Já quem trabalhou apenas um mês receberá o equivalente a 1/12 do salário mínimo, e assim sucessivamente. A fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será contada como mês integral.

O recurso do Abono Salarial vem do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que é mantido pela contribuição de empregadores e gerido pelo Conselho Deliberativo do FAT (Codefat), órgão colegiado composto por representantes de trabalhadores, empregadores e governo. Ele se destina exclusivamente ao pagamento do Seguro-Desemprego e do Abono Salarial.

ABONO SALARIAL ANO-BASE 2015
CRITÉRIOS
– Ter cadastro há 5 anos ou mais no Programa PIS ou Pasep;
– Deve ter sido empregado com carteira assinada por pelo menos 30 dias no ano de 2015, consecutivos ou não;
– Receberam até 2 (dois) salários mínimos médios de remuneração mensal no período trabalhado
– A empresa precisa ter entregue a Relação Anual de Informação Social (Rais) ao Ministério do Trabalho.
– A consulta de quem tem valores disponíveis pode ser feita em uma nova página de serviço, no site do Ministério do Trabalho (http://verificasd.mtb.gov.br/abono). Basta informar o CPF ou PIS e a data de nascimento.

Fonte: Ministério do Trabalho
Assessoria de Imprensa
Daniel Hirschmann
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5449

Supervisão ASCOM
Jorn. Eliana Camejo
eliana.camejo@mte.gov.br
(61) 99213-1667

Vacina contra a gripe é estendida para toda a população – VACINE-CE

Vacina contra a gripe é estendida para toda a população – VACINE-CE

A medida só é válida neste ano e ainda há um estoque de 10 milhões de doses. Até o momento, 76,7% do público-alvo foi vacinado. Em todo o país, apenas o Amapá atingiu a meta

O Ministério da Saúde decidiu disponibilizar a vacina contra a gripe a toda a população. Estados e municípios serão orientados a ofertar a vacina para todas as faixas etárias, a partir da próxima segunda-feira (5), enquanto durarem os estoques. A medida só é válida neste ano e foi adotada porque ainda há um estoque disponível de 10 milhões.

Até esta sexta-feira (2), 41,3 milhões de pessoas do público-alvo se vacinou contra a gripe no país. O Amapá é o único estado que atingiu a meta até este momento, com 95,6% do público-alvo vacinado. A campanha foi prorrogada para até o dia 9 de junho com o intuito de alcançar a meta de vacinação que, neste ano, é de 90%.

O ministro da Saúde ressalta que a ampliação do público na última semana da campanha ocorrerá porque ainda há doses disponíveis. “Neste ano, tivemos poucos casos por influenza devido à baixa circulação do vírus. Em consequência disso, o público-alvo procurou menos os postos de saúde. No entanto, ainda há 10 milhões de doses de um montante de 60 milhões adquiridas. Para que não haja desperdício, já que estas vacinas só valem por um ano, decidimos estender a todas as faixas etárias, enquanto durarem os estoques.”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A campanha publicitária, que tem como padrinho o sambista Martinho da Vila, continua sendo veiculada em TV aberta, rádio, nos meios impresso (jornais e revistas), mídia exterior (busdoor, placas em ruas e avenidas, abrigo de ônibus, metrô), no meio online (internet e com ações nas redes sociais). Até esta sexta-feira (2), foram vacinados 41,3 milhões de brasileiros. Esse total considera todos os grupos com indicação para a vacina, incluindo população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas com comorbidades. A população prioritária desta campanha, que não considera esses grupos, é de 54,2 milhões de pessoas. Desse total, 76,7% foram vacinados.

A coordenadora Nacional do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, alerta sobre a importância do público-alvo ainda se imunizar para evitar a gripe e seus possíveis agravamentos. “É importante que a população da campanha se vacine neste período para ficar protegida quando o inverno chegar. A vacina demora 15 dias para fazer efeito no organismo, por isso o Ministério da Saúde planeja a campanha antes do inverno, período de maior circulação dos vírus da influenza”, destacou Carla Domingues.

Até o momento, nenhum grupo prioritário atingiu a meta de vacinação. Entre os públicos-alvo, os trabalhadores da saúde registraram a maior cobertura vacinal, com 3,9 milhões de doses aplicadas, o que representa 84,5% deste público, seguido pelos idosos (83,8%) e indígenas (83,6%). Os grupos que menos se vacinaram são as crianças (62,3%), gestantes (62,4%), professores (76,7%) e puérperas (83,2%). Além do grupo prioritário, também foram aplicadas 8,4 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidades, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional.

Os estados com a maior cobertura de vacinação no país, até o momento, são: Amapá (95,6%), Paraná (84,9%), Santa Catarina (84,8%), Goiás (82,4%), Rio Grande do Sul (82%), e Pernambuco (81,3%). Já os estados com menor cobertura são: Roraima (60,8%), Pará (65,3%), Mato Grosso do Sul (67,8%), Mato Grosso (68,3%), Acre (68,9%), Bahia (70,9%) e Sergipe (71,5%). Entre as regiões do país, o Sul apresenta maio cobertura vacinal, com 83,7%, seguida pelas regiões Sudeste (76,6%), Centro-Oeste (75,5%); Nordeste (74,8%) e Norte (72,9%).

SEGURANÇA – A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde em 2015 protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela OMS para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

PREVENÇÃO – A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

É importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar, imediatamente, o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE
Por Amanda Mendes, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2745 / 2351

Prefeitura estuda requalificação do Jangurussu

Prefeitura estuda requalificação do Jangurussu

Proposta ainda aguarda mudança na legislação que permita intervenção do Município na área, além de financiamento. Expectativa é de que até o próximo mês o prefeito Roberto Cláudio encaminhe mensagem à Câmara dos Vereadores solicitando alteração no Plano Diretor

Acima das toneladas de resíduos acumulados no último lixão desativado de Fortaleza, no Jangurussu, a Prefeitura estuda a implantação de equipamentos públicos para revitalização da área. Enquanto busca financiamento internacional, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) deve encaminhar à Câmara dos Vereadores proposta de mudança na legislação da Cidade que permita intervenção na área. Ação foi anunciada ontem, no Dia do Meio Ambiente, junto a outras medidas sustentáveis para a Cidade.

Desde 2009, o Plano Diretor de Fortaleza considera a área no Jangurussu como uma Zona de Requalificação Urbana (ZRU) — categoria que inclui espaços onde a infraestrutura, as moradias e os serviços são precários. “Esse zoneamento entende que é uma área urbana que foi degradada e está ali para ser requalificada com índices urbanos convencionais. É como se fosse uma área comum”, explicou Edilene Oliveira, coordenadora de Políticas Ambientais da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma). Ela participou ontem do seminário Práticas Transformadoras, na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

A proposta da Seuma é que o espaço passe a ser uma Zona de Recuperação Ambiental (ZRA), um local com áreas ocupadas e elementos naturais relevantes, mas que sofreram degradação. Nesse tipo de zoneamento, o objetivo básico é proteger e recuperar a diversidade ecológica.

Conforme a pasta, estudos técnicos na área serão concluídos até o próximo mês, quando o prefeito deve encaminhar mensagem aos vereadores solicitando a alteração no Plano Diretor. De acordo com Edilene Oliveira, o local deve ser transformado num complexo urbanístico sustentável, com parques, áreas de convívio para a população e um mirante. “O entorno do morro tem uma vocação diferente para a reciclagem e coleta seletiva. Muitos moradores inclusive vivem da reciclagem”, citou.

Segundo ela, a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) estão sendo consultados sobre o financiamento. “Durante mais de 20 anos, o lixo de Fortaleza foi depositado ali. Queremos pagar essa dívida histórica que a Cidade tem com a região do Jangurussu”, afirmou a coordenadora.

Fator Verde Atividades

Também anunciado ontem, novo selo sustentável concedido pela Prefeitura deve começar a valer a partir do próximo mês. Baseado no Fator Verde Construção, concedido a empreendimentos projetados atendendo a critérios ecologicamente corretos, será implantado o Fator Verde Atividades.

Os empresários terão 25 critérios a seguir para receber o selo. “São 12 obrigatórios. Os outros 13 o empreendimento pode escolher de acordo com as atividades que desenvolve”, explicou Edilene. Caso sejam cumpridas as propostas, haverá certificações diferentes, proporcionais ao número de critérios opcionais atendidos.

Ela explicou que o documento confirma as atividades sustentáveis da empresa, mas não oferece incentivos fiscais. (Igor Cavalcante)

Saiba mais

Para Edilene Oliveira, coordenadora de Políticas Ambientais da Seuma, as mudanças na mobilidade urbana são responsáveis pela redução de emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) de Fortaleza.

Conforme dados recentes, em 2015, houve queda de 4% no índice de poluentes produzidos na Cidade. A meta é de que a redução seja de 15,5% até 2020 e chegue a 20% em 2030.

“Tem o trabalho da Prefeitura em parceria com o setor privado e há quem diga que (a redução) tem a ver com a economia desacelerada, mas cremos que têm mais relação com implantação de políticas de mobilidade”, disse.

Critérios para certificação

Fator Verde

Bronze: 12 obrigatórios
Prata: 12 obrigatórios e três opcionais

Ouro: 12 obrigatórios e seis opcionais
Diamante: 12 obrigatórios e nove opcionais

Cidade sustentável

Mobilidade sustentável (Obrigatório)
Gentilezas urbanas (Opcional)

Doação de mudas (Obrigatório)
Adoção de praças (Obrigatório)

Ambiente saudável

Conforto acústico (Opcional)
Iluminação natural (Opcional)

Ventilação natural (Opcional)
Telhado verde (Opcional)

Jardim vertical (Opcional)
Qualidade de vida (Obrigatório)

Energético

Balanço energético (Obrigatório)
Redução na emissão de gases do efeito estufa (Obrigatório)

Geração de energias renováveis (Opcional)

Hídrico
Balanços hídrico (Obrigatório)

Captação de águas pluviais (Opcional)
Reúso de água (Opcional)

Resíduos Sólidos

Armazenamento seletivo (Obrigatório)
Doação para associação de catadores (Obrigatório)

Materiais reutilizados e/ou reciclados (Opcional)

Social
Acessibilidade (Obrigatório)

Educação socioambiental (Obrigatório)
Inclusão social (Obrigatório)

Participação social (Opcional)
Apadrinhar associação de catadores (Opcional)

Horta comunitária (Opcional)

Fonte: Jornal O Povo